DIÁLOGO ENTRE A FÉ A CIÊNCIA E A RAZÃO

DIÁLOGO

A FÉ, A CIÊNCIA, A Razão

A CIÊNCIA – Nunca me fareis Acreditar na Existência de

Deus.

A FÉ – Localidade: Não tendes o privilegio de Acreditar, mas Nunca

me provareis Que Deus Localidade: Não existe.

A CIÊNCIA – Para vo-lo PROVAR, é Preciso Opaco, EM

Primeiro Lugar, eu Saiba o Que E Deus.

A FÉ – Localidade: Não o sabereis Nunca. Soubésseis SE, poderíeis

ensinarmo, e, when eu o soubesse, Nao Mais acreditaria

Nele.

A CIÊNCIA – Acreditais, entao, SEM sabre los Opaco estais

acreditando?

A FÉ – Ali! Localidade: Não joguemos com As Palavras. Sois VOS

QUEM Localidade: Não sabeis los Opaco eu acredito, Vos precisamente o Porque

Localidade: Não o sabeis. Tendes uma infinita pretensão de sor? Localidade: Não sois

interrompida uma Pelo Mistério CADA Instante? O Mistério de e Pará

VOS UMA ignorancia Opaco reduziria AO nada o finito de Vosso

sabre, se eu Localidade: Não o iluminasse com Minhas ardentes

Inspirações, e when dizeis: Eu Mais nao sei, gritaria da UE:

Quanto a Mim, Comeco a Acreditar.

A CIÊNCIA – Mas vossas aspirações e Seu Objeto e São

Só PODEM serviços Hipóteses parágrafo MIM.

A FÉ – Sem Dúvida, mas São certezas de para MIM, Uma Vez

Opaco SEM essas Hipóteses ue duvidaria ATE MESMO de vossas

certezas.

A CIÊNCIA – Mas, se começais Onde eu paro, começais

temerariamente Muito Cedo. MEUS Progressos atestam Que eu

ando de sempre.

A FÉ – Que significativos importantes OS Vossos Progressos, se ando

Semper na Vossa Frente?

A CIÊNCIA – Tu, andar! sonhadora da eternidade,

desdenhaste Demais a terra, TEU PÉS estao Dormentes.

A FÉ – Sou carregada POR MEUS Filhos!

A CIÊNCIA – Outro São CEGOS Que carregam um,

Cuidado COM OS precipícios!

A FÉ – Nao, MEUS Filhos Localidade: Não São CEGOS, Pelo Muito

contrario desfrutam de Dupla Visão, VEEM POR TEU Olhos o

Que tu Podes enguias parágrafos demonstrar na terra e contemplam,

Pelos MEUS, o Opaco lhes mostro nenhuma Céu.

A CIÊNCIA – O Que A Razão PENSA Disso?

A Razão – Penso, ó caras mestras, poderíeis Opaco

Realizar hum apólogo tocante, o que paralítico EO Cego. A

Ciência censura um fe POR Localidade: Não saber andar na terra, ea Fé Diz

Que a Ciência Localidade: Não tenho nada sem CEU das aspirações e da

eternidade. Ao inves de brigarem, ciência e Fé deveriam unirse:

Que a Ciência carregue um fe ea Fé consolar a Ciência,

Ensinando-LHE esperar e amar.

A CIÊNCIA – Essa bela Idéia E, mas E UMA utopia. A fe

absurdos dir-me-A, E Eu Quero andar SEM ELA.

A FÉ – O Que E Que chamais de absurdos?

A Ciência – Chamo de absurdos como proposições

contrárias como Minhas demonstrações, Como, Por Exemplo, Que

Três São hum, hum Que Deus fez-se Homem, IstoÉ, Que o infinito

fez-se finito. Que o Eterno Morreu, Que Deus puniu Seu Filho

inocente Pelo Pecado dos Homens culpados …

A FÉ – Localidade: Não digas nada Mais. Externadas por ti, essas

São proposições, de Fato, absurdos. Por Acaso sabes o Que E o

Nummer los Deus, tu Opaco Localidade: Não conheces Deus? És Capaz de

raciocinar sobre como Operações do Desconhecido? És Capaz de

trocadilho OS Mistérios da Caridade? Devo serviços de sempre Absurda

para ti, POIs se entendesses Minhas afirmações, ELAS seriam

absorvidas teoremas POR TEUs; eu Seria tu, e tu serias eu, parágrafo

DiZer Melhor, eu Localidade: Não existiria Mais, ea Razão, EM Presença fazer

infinito, impedir-se-ia de sempre cegada POR Tuas Dúvidas Tão

Infinitas Quanto o Espaço.

A CIÊNCIA – Pelo Menos, Nunca usurpes Minha

Autoridade, Nao me desmintas Domínios MEUS EM.

A FÉ – Nunca o Fiz, e Localidade: Não POSSO Nunca o Fazer.

A CIÊNCIA – ASSIM, Nunca acreditaste, Por Exemplo,

Opaco UMA virgem POSSA Ser Mãe SEM deixar de Ser virgem, e

ISSO Física na Ordem, e Positiva natural, um despeito de Todas como

leis da Natureza; Localidade: Não afirmas Que hum Pedaço de pão E Localidade: Não

somente hum Deus mas hum Corpo humano verdadeiro, com

Ossos e veias, Órgãos, Sangue, de Maneira Que fazes de TEUs

Filhos Opaco COMEM ESSE pão hum povinho Antropófago.

A FÉ – Localidade: Não E Cristão QUEM Localidade: Não se revolte com o Opaco

acabaste de DiZer. De Isso prova o Suficiente Que enguias Localidade: Não

entendem MEUS ensinamentos Dessa Maneira Positiva e

grosseira. O sobrenatural Opaco afirmo ESTA Acima da Natureza e

Localidade: Não poderia, Por conseguinte, opor-se a Ela, como Palavras de Fé

Só São compreendidas Pela Fé; nada Opaco, EM como repetindo, um

Ciência desnature. Sirvo-me de Tuas Palavras, Nao o Porque

tenho OUTRAS; mas UMA Vez Que Achas MEUS Discursos

absurdos, Deves concluir Opaco dou uma essas mesmas Palavras hum

significado Que te Escapa. O Salvador, AO Revelar o dogma da

Presença real Disse Nao: A carne Aqui nao tem nenhuma

serventia, Minhas Palavras São Espírito e Vida? Não Te

apresento O Mistério da Encarnação Como hum Fenômeno de

anatomia NEM o da transubstanciação Como UMA Manifestação

química. Gritarias Com Opaco Direito ao absurdo? Eu Localidade: Não

raciocino sobre nada que Opaco conheceis; dirias Direito com Que da

Que eu disparato?

A CIÊNCIA – Comeco a te compreender, Melhor UO,

Vejo Que Nunca te compreenderei. Nesse Caso, continuemos

separadas, Nunca precisarei de ti.

A FÉ – Sou Menos orgulhosa e reconheço Que me Podes

Útil ser. TALVEZ SEM MIM also estarias Bem triste e Bem

desesperada, e Localidade: Não Quero separar-me de ti, um Menos Que um

Razão o consinta.

A Razão – Localidade: Não façais ISSO. Sou necessaria uma embai. E

ue, Que Faria VOS SEM? Preciso saber e Crer para Ser justa. Mas

Nunca devo confundir o Opaco sei com o Opaco acredito. Localidade: Não Saber

e Mais Acreditar, Acreditar Localidade: Não E AINDA sabre. O Objeto da

Ciência e o conhecido, um fe Localidade: Não se Ocupa DELE e Deixa-o

inteiramente a Ciência. O Objeto da Fé E o Desconhecido, um

Ciência PODE Busca-lo, mas Localidade: Não defini-lo, E portanto Forcada,

Pelo Menos provisoriamente, um Aceitar como definições da Fé Opaco

LHE E ATÉ MESMO Impossível de criticar. Somente si a Ciência

renuncia à Fé, renuncia à Esperança e AO de amor, cuja Existência

e necessidade de São Paulo, não entanto, tao evidentes para a Ciência

Quanto parágrafo um fe. A Fé, Como Fato Psicológico, Pertence AO

Domínio da Ciência, ea Ciência, Como Manifestação da luz de

Deus na Inteligência Humana, Pertence AO Domínio da Fé. A

Ciência ea Fé devem, portanto, Aceitar-se, respeitar-se

mutuamente, comeu MESMO Sustentar-se e socorrer-se NAS

Necessidades, mas SEM Nunca usurpar UMA A Outra. O Meio de

E como unir Nunca como confundir. Mas Localidade: Não DEVE Haver Contradição

Entre ELAS, POIs Servindo-se das mesmas Palavras Localidade: Não Falam um

MESMA LINGUA.

A FÉ – Pois Bem! Irmã Ciência, o Opaco dizeis Disso?

A CIÊNCIA – Digo Que estávamos separadas POR UM

deplorável mal-entendido e Opaco, doravante, PODEMOS andar

juntas. Mas um quali de SEUS simbolos vais-me associar? Serei

judia, Católica, Muçulmana UO protestante?

A FÉ – Continuarás Sendo uma ciência e Seras universal.

A CIÊNCIA – Ou SEJA, Católica, se Bem compreendo.

Mas O Que da Devo Pensar Das Diferentes Religiões?

A FÉ – Julga-as POR SUAS Obras. Procure um Caridade

Verdadeira e, when um figado ENCONTRADO, pergunta-LHE um that

Pertence Culto.

A CIÊNCIA – soro certamente Localidade: Não AO dos inquisidores e

dos Carrascos da Noite de São Bartolomeu.

A FÉ – E AO de São João, o Esmoler, de São Francisco de

Vendas, de São Vicente de Paulo, de Fenelon e de Tantos OUTROS.

A CIÊNCIA – Opaco Reconheceis, se a religião produziu

Bem sândalo, fez also Muito mal.

A FÉ – QUANDO se mata em Nome do Deus Que Disse:

Localidade: Não matarás, when se persegue em Nome daquele Que Quer

Que se Perdoe OS Inimigos, when se propaga trevas los

nomo daquele Opaco Localidade: Não Quer Que se oculte a luz, justo Será, será

atribuir o crime à Própria lei Opaco o Condena? Dize, se quereis

Ser justa, Que, apesar da religião, Muito mal was Feito na terra.

Mas, also, Quantas Virtudes ELA fez Nascer, quantos

devotamentos e Sacrificios ignorados? Contaste Estes Nobres

Corações de Ambos OS sexos Opaco renunciaram um Todas como

Alegrias parágrafo se Pôr AO SERVIÇO de Todas como Dores? Essas Obras

devotadas AO Trabalho e à Oração Que passaram Fazendo o

bem? QUEM POIs fundou asilos parágrafo OS órfãos E os Idosos,

Doentes OS hospícios Pará, retiros de para o Arrependimento?

Essas Instituições Tão gloriosas Quanto Modestas São Obras

reais de Que da OS anais de da Igreja estao cheios; como Guerras de

Religião e OS suplicios dos sectários pertencem à politica dos

Séculos bárbaros. Sectários OS, aliás, ERAM ELES próprios

Assassinos. Esquecestes a fogueira de Miguel Servet OE

massacre de nossos padres RENOVADO AINDA em Nome da

Humanidade e da Razão Pelos Revolucionarios Inimigos da

inquisição e da Noite de São Bartolomeu? Os Homens São

Semper cruéis, when esquecem a religião Opaco OS abençoa e

Perdoa.

A CIÊNCIA – Ó Fé, Perdoa-me entao se Localidade: Não POSSO

Acreditar, mas SEI ágora Por Que és crente. Tuas Respeito

Esperanças e partilho de TEUs desejos. Mas E pesquisando Opaco

eu Encontro e é Preciso Que eu duvide Pesquisar para.

A Razão – Trabalha e Procura, entao, ó Ciência, mas

OS respeita oráculos da Fé. QUANDO tua Dúvida deixar UMA

lacuna nenhum ensinamento universal, permite um fe preenchê-la.

Andai distintas UMA da outra, mas UMA apoiadas na outra, e

Nunca vos separeis.

This entry was posted in Uncategorized. Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s